6 de novembro de 2010

Convenção API 2010 - Rio Maior "encheu-se" de Magia!

Rio Maior... API... Magia... Convenção... São palavras que, só por si, têm já um enorme significado. Agora quando se reunem as quatro palavras numa só frase (Convenção Mágica da API em Rio Maior), então o significado potencia-se exponencialmente... Mas foi também isso que representou o passado fim-de-semana, por coincidência precisamente o último do mês de Outubro (29 a 31).
Assim, na sexta-feira o mágico Dani (Daniel Guedes) e a mulher mais justa que conheço (adivinharam, o seu nome é mesmo Justa), vieram ter a Aveiro e com eles muita chuva (pobre Justa que ficou numa paragem de autocarro por troca da garagem da sua carreira, ficando enregelada à nossa espera enquanto a procurávamos... Sim, porque o Dani já o tinha recolhido na estação da CP). Almoçámos em nossa casa, algo muito ligeiro, e seguimos todos os 4 pela A17 até próximo de Caldas da Rainha, saindo depois pela A15 rumo a Rio Maior. Felizmente que a chuva ficou para trás (em Aveiro era quase diluviana mas pelo caminho ainda vimos o sol a sorrir-nos) e o fim-de-semana prometia algumas melhoras que nos permitiria usufruir do programa intenso da Convenção.
Assim, chegados ao Hotel Paulo VI, bem nas proximidades do palco da Convenção (no Cineteatro / Casa da Cultura de Rio Maior, um magnífico edifício com anfiteatro e palco onde tudo se iria passar), e após o check-in, seguimos para o exterior da Câmara Municipal ainda a tempo de ver a parte final de alguma magia de rua. Nesse final de dia tivemos ainda oportunidade de provar um vinho da região - Quinta dos Penegrais, do qual ficámos logo fãs, tendo e a minha maridona e eu de imediato estabelecido contacto com os seus produtores (D. Margarida com o seu sogro), acabando mesmo por negociar a aquisição de várias garrafas do vinho tinto que acabarámos de conhecer. Também os nossos amigos Fernando Coimbra e Cristina seguiram o nosso exemplo, com a D. Margarida a oferecer-se para nos vir trazer o vinho no dia seguinte à convenção. A noite terminou com a Gala de Abertura, uma amostra do ilusionismo que, confesso, achei algo pobre. Valeu a boa disposição geral por estarmos entre amigos e tudo acabou em bem.
O dia seguinte prometia mais chuva, ainda por cima com um passeio previsto. Assim, às 10H30 lá estávamos todos, uns mais frescos e outros mais sonolentos, sentados para ouvir a conferência do Mariano Goñi, um argentino que vive em Espanha e que tem no seu currículo "apenas" ser o inventor do efeito de atravessar uma moeda através de uma mesa com tampo de vidro. No final seguimos para o autocarro que nos aguardava no exterior, para onde corremos por entre alguns pingos de chuva que ameaçava inundar-nos o ânimo. Seguimos para as salinas de sal, um fenómeno curioso que foi ver a produção de sal em plena serra dos Candeeiros, sal este proveniente de um poço cuja água passa por uma gema de sal em pedra e que lhe confere o cloreto de sódio necessário para a tornar 8 vezes mais salgada que o próprio mar. Deste poço ela é bombeada para as diferentes eiras (salinas) que, com a evaporação da água, ali retêm o seu sal.
Às 15H00 voltámos para a sala, já depois de um almoço interessante, para assistir à conferência do nosso grande David Sousa. Foi a confirmação da sua arte, agora em forma de apresentação oral. Duas horas depois teve lugar a Gala de Close-up (ou magia de proximidade, como em língua de Camões se diz), à qual infelizmente já não chegámos a tempo de ver o grande Pedro Lacerda. Mas os restantes artistas também corresponderam com uma agradável performance, vendo todos nós ali alguns momentos de magia. Novamente fomos jantar, o mesmo grupo do almoço, a uma churrasqueira ali nas cercanias do hotel, onde nos divertimos imenso com a simpatia da empregada Carla. A Grande Gala estava reservada para a noite deste sábado, esta sim um espectáculo de grande valor que mostrou a todos os habitantes de Rio Maior que ali foram assistir uma grande noite mágica!
O domingo acordou novamente bastante chuvoso, fazendo nós uma nova corrida até ao local da Convenção. Mas o esforço valeu a pena, pois Mariano Goñi cumpriu a promessa feita na véspera de nos mostrar o seu efeito de atravessar a moeda através de um tampo de vidro improvisado. Seguiu-se a conferência do francês Peter Din, muito importante nos seus conceitos para quem faz magia para crianças. Foi uma conferência longa, mas todos nós nos mantivemos firmes pelos interessantes conselhos dados sobre como abordar estas festas. Basta dizer, por exemplo, que muitos de nós reconsiderámos a possibilidade de voltar a fazer magia para crianças com menos de 6 anos (bom, eu ainda não, pois eles são indeed um público difícil).
Terminada a conferência, e após uma rápida corrida ao hotel onde a D. Margarida nos aguardava com novo reforço de vinho (para mim e para o Joferk), era hora do adeus à volta das mesas do Palhinhas, o restaurante eleito para o encerramento da Convenção.
E foi assim, em clima de festa e boa disposição, que nos despedimos uns dos outros, ansiosos pelo próximo encontro mágico.
Novamente com a Justa e o Dani, retomámos o caminho para Aveiro, com a chuva a brindar-nos algumas saraivadas intensas. Cá em casa só fizemos um lanchinho de chá, quando fomos visitados por um pequeno casal a lembrar-nos que era dia do Halloween, ou das Bruxas, como por cá é conhecido. E, curioso, eles eram os mesmos miúdos que o ano passado nos visitaram e tiveram direito a um kg de bombons. Este ano não tiveram a mesma sorte pois não estávamos preparados, mas ainda assim lá improvisámos algumas gostosuras para não terem que nos fazer travessuras!

Como puderam constatar esta publicação tem sido unicamente descritiva, sem quaisquer fotografias. Na verdade, elas estavam aí, mas como falávamos de momentos de magia, elas simplesmente "desapareceram"... Para colmatar esta situação tive que recorrer a outro grande ilusionista (Phil Mount, conhecem?) para as fazer reaparecer, num grande passe mágico.


...Figura_01: Imagem do bonito cineteatro, o local onde tudo acontecia...


...Figura_02: A Feira Mágica presente, para gastarmos mais algum...


...Figura_03: O Hotel Paulo VI, a nossa casa durante estes dias...


...Figura_04: E vejam o que descobrimos por debaixo da mesa que adoptámos para o nosso pequeno-almoço, nas duas manhãs em Rio Maior.


...Figura_05: A visita de sábado às salinas (do sal) na serra dos Candeeiros.


...Figura_06: Alguns mágicos conhecidos a deambular por entre as casinhas do artesanato...


...Figura_07: Alguém quer um salgadinho?


...Figura_08: Ou vai antes uma ginginha ou um traçadinho tinto, na Taverna do Salineiro?


...Figura_09: Eis o sistema de apontamento das dívidas acumuladas ao mês na Taverna pelos salineiros que ali trabalhavam. Sistema estranho de apontar, mas com um significado interessante. Por exemplo, os traços representavam copos de vinho, os círculos a cerveja ('o' para normais, com uma cruz dentro seriam minis).


...Figura_10: Cliquem em cima da figura para aumentar a resolução e apreciem a descição das chaves das dívidas na taverna.


...Figura_11: A conferência do nosso campeão mundial e amigo David Sousa, sempre interessante nas suas explanações e demonstrações.


...Figura_12: E quem está ali ao lado, com ele, para o ajudar na sua apresentação? A minha "own partner", a grande Maria José!


...Figura_13: E porque neste mesmo dia o David fazia anos, ali lhe cantámos os parabéns com direito a bolo e tudo...


...Figura_14: Nos intervalos lá íamos nós ver as novidades na Feira Mágica, aqui com a Flávia Molina a mostrar a sua banca.


...Figura_15: O fim da Gala de Close-up, a única que, por ser reservada apenas a mágicos, nos permitiu tirar fotos.


...Figura_16: Peter Din na sua conferência, com o nosso Rui a traduzir do francês para português.


...Figura_17: Novamente o francês com a espectadora mais atenta de todos os momentos destes dois dias: a pequena e encantadora menina que a todos encantava com a sua curiosidade e simpatia.


...Figura_18: Ainda a hora da assinatura do protocolo que passou a ligar a nossa API com a Federação francesa de ilusionismo.


...Figura_19: O almoço de encerramento com todos os mágicos reunidos no Palhinhas...


...Figura_20: O duo "Tá na Manga", de quem sou particularmente fã da sua rotina, com a sua irreverência.


...Figura_21: Mas esta era a mesa principal, com a Vera, o Joferk (Coimbra), a Cristina, a Zé e o Phil Mount.


...Figura_22: E os nossos "monstrinhos" que nos fizeram lembrar ser a "noite das bruxas" (ou do americano Halloween). Lembram-se deles da publicação de há um ano, precisamente nesta noite?

E foi assim que a magia aconteceu no fim-de-semana passado. Mas neste houve mais magia, desta feita na cidade de Aveiro. E adivinhem quem foi o protagonista? Isso mesmo, este vosso amigo que veste a pele de um super-herói que se dá pelo nome de Phil Mount. Mas isso será para outro dia, que vos prometo contar tudo. Até lá, fiquem bem!

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home