25 de maio de 2010

PR 2 - Cabreia e Minas do Braçal - take two. Um percurso muito... mágico!

Foi no passado sábado que (finalmente) realizámos o percurso pedestre "Cascata da Cabreia e Minas do Braçal", naquele que foi considerado como o "Take Two" desta iniciativa (recordo-vos a publicação do passado dia 11 de Maio, com o "take one" desta caminhada). Dos pedestrianistas que se tinham inscrito para a primeira tentativa, apenas dois (!) se mantiveram firmes e voltaram nesta segunda tentativa. Adivinharam! Eu e a minha maridona!...
Este percurso foi muito mágico, pois contou com a presença de nada menos que 3(!) (não é "três factorial" (3!) e sim três com ponto de exclamação, tá?) famosos mágicos do panorama nacional. Eu, moi même (Phil Mount); David Sousa; Mário Daniel. Também a presença de 4(!) (once again, não é quatro factorial e sim quatro com novo ponto de exclamação! Vcs são chatos, pá...) :-) Dizia eu, quatro "fêmes fatales", que ousaram aceitar o desafio e percorrer este percurso que se encheu com a magia... da nossa presença! Foram elas: Maria José, Vera Maganinho, Cláudia Pedrosa e Filipa Assis. Estão assim apresentadas todas as personagens da história que se segue...


...Figura_01: Apresento-vos as personagens desta história. Da esquerda para a direita: Vera Maganinho, como "Vera do David"; David Sousa, como "The Great Magic David"; Mário Daniel, como "Mário Daniel, The Magician Man"; Cláudia Pedrosa, como "Cláudinha do Mário e da Praça"; Filipa Assis, como "Filipa, the Science Woman"; Maria José, como "Maria José"; Filipe Monteiro, como "Phil Mount, o Homem do Pau".


...Figura_02: O percurso permitia-nos interagir com espécies locais, como estas magníficas libelinhas...


...Figura_03: Ou esta outra espécie (de avioneta), que posou para nós exibindo um grande sorriso (cliquem sobre a foto e apreciem a sua "cara" ampliada)...


...Figura_04: A Vera foi quase sempre na liderança, indicando o caminho. "Vera, é para este outro lado", diziamos nós algumas vezes, quando ela seguia por outra via...


...Figura_05: Enquanto os restantes elementos seguiam tranquilamente na retaguarda, conversando e apreciando a paisagem que nos rodeava.


...Figura_06: O percurso seguia pela freguesia de Silva Escura, descendo por caminhos rurais de mato e fetos até ao rio Bom...


...Figura_07: Com o pessoal bem disposto e animado com a perspectiva de um dia quente e solarengo, bem ao contrário do dia do "Take One"...


...Figura_08: Um dos artistas equipado a rigor. Longe vai o tempo em que caminhava de calções e sapatilhas, arranhando-me todo nas pernas quando passava por tojo e mato (ver primeiras caminhadas no Gerês, em Agosto de 2006!)


...Figura_09: Visitámos as Minas da Malhada, bem ao lado do percurso, onde encontrei estas beldades numa gruta (Zé, Cláudia e Vera).


...Figura_10: Mas também ali poderíamos encontrar este "Homem das Cavernas", que rapidamente disse: "são minhas!"...


...Figura_11: O percurso seguia ao longo do Rio Bom, até chegar ao Rio Mau (confesso que não demos por ele ter mudado de "Bom" para "Mau").


...Figura_12: E por isso lá fomos seguindo pelo caminho assinalado, confiantes nos nossos guia que seguiam na frente (eu e a Vera).


...Figura_13: Felizmente que o calor ainda não se fazia sentir em força, pelas sombras que as árvores faziam repousar sobre nós.


...Figura_14: E como iam sendo horas de almoçar, juntámo-nos numa sombra junto ao rio (deveria ser o Bom, pela mansidão das suas águas), onde comemos a nossa refeição.


...Figura_15: E onde o Mário exibiu a sua camisola mágica, com o ás de espadas a fugir do baralho (este encontrava-se nas suas costas).


...Figura_16: E porque o rio era Bom, a Filipa não hesitou em se descalçar e atravessá-lo para a outra margem.


...Figura_17: Vera, Filipe e Maria José, aguardando pela empresa de catering que nos iria levar o cafézinho... Bom, eles não chegaram a aparecer, pelo que também nós tivemos que seguir viagem!


...Figura_18: Mais uma fotografia do grupo, reunido após o almoço e prontos a continuar o percurso.


...Figura_19: A minha maridona com a Cláudia em passo acelerado. Reparam no saco do lixo que levamos? É assim que se deve fazer sempre, não o deixando ficar para trás, 'tá bem?


...Figura_20: Esta deve ser a área em que o rio Bom se transforma em rio Mau, em mais uma queda de água sob a vegetação luxuriante.


...Figura_21: David e Vera, em pose sobre o rio. Qual deles o Mau e qual deles o Bom? Estou a falar dos rios, claro...


...Figura_22: Seguiram-se-lhes o Mário Daniel com a Cláudia, aqui numa perfeita simbiose entre o bom e o mau... continuo a falar dos rios, tá?


...Figura_23: Finalmente eu e a Zé, aqui sem margem para dúvidas que se trata unicamente do Bom (ok! Tá bem! pode continuar a ser do rio...)


...Figura_24: E porque se trata nada mais nada menos do que de um mágico campeão do mundo, eis a sua última ilusão recriada em pleno percurso pedestriástico. Será que o que parece é?


...Figura_25: Mas o grupo mantinha-se coeso, sempre disponível para continuar em frente... mesmo que algumas vezes tivéssemos que voltar para trás, para redescobrir o trilho certo.


...Figura_26: E tal como dizia a canção: "minhas botas velhas cardadas, palmilhando léguas sem fim, quanto mais velhinhas e estragadas, tanto mais valor têm para mim!"


...Figura_27: Depois de uma fase menos boa, com o sol forte a dar-nos numa parte do percurso mais árida (onde se notava a influência das plantações de eucalipto para exploração das madeiras para a celulose, com bastas áreas já cortadas e por isso mesmo sem sombras), lá regressámos a uma parte novamente mais verdejante e fresca, para grande satisfação da Vera... e de todos nós!


...Figura_28: A Maria José surgindo por detrás de alguns fetos, qual deusa da floresta a vigiar os mortais (nós).


...Figura_29: Bom, sou obrigado a reconhecer que também eu teria perfil para "deus da floresta", pelo que terei que negociar bem isso com o meu manager!


...Figura_30: Chegámos finalmente à parte final do percurso, com a ponte de madeira a reconduzir-nos novamente até ao rio Bom, na zona da cascata da Cabreia. O grupo formado sobre a ponte, em grande estilo!


...Figura_31: Depois eu e a Zé, na parte de cima da cascata, enquanto o restante pessoal já estava lá bem junto à queda de água...


...Figura_32: A Filipa juntou-se-nos, também ela tendo ficado para trás em registos fotográficos que a paisagem merecia.


...Figura_33: Finalmente imagem com os restantes elementos a descansarem dos mais de 12 km percorridos (o percurso tem 10,5 km, mas com os enganos e pequenos desvios que fizémos, seguramente que teremos andado bem perto dos 13 km!)


...Figura_34: E uma outra imagem do casal-maravilha junto à queda de água-maravilha, descansando deste percurso-maravilha, efectuado por gente-maravilha...


...Figura_35: E a chegada ao final (início) do percurso. Não, não estão a ver mal ou torto. O pessoal é que já estava de tal maneira cansado, que já ninguém se aguentava direito...


...Figura_36: Claro está que isso não invalidava que ainda pudessemos apreciar algumas das maravilhas que a Natureza ali nos proporciona...


...Figura_37: E porque no final todos tinham compromisso (Mário, David, Vera e Cláudia seguiram directos para Lisboa, para ainda assistirem à parte final da Festa da Primavera da Associação Portuguesa de Ilusionismo, à qual não fui pois iria no dia seguinte para o almoço de comemoração dos 50 anos de casados dos meus pais... tal como oportunamente aqui publicarei! A Filipa também tinha um evento na Fábrica da Ciência Viva), mas como consideramos que a tradição ainda deverá continuar a ser como era, eu e a Zé reunimo-nos para beber as nossas tradicionais "mines" com uma saborosa empalhada. Ah! Pois!...


...Figura_38: Perante o olhar bem atento do nosso Doc, à espera que lhe chegássemos alguns amendoíns (cerveja não, fiquem descansados os adeptos da Protecção dos Animais. Até porque ela nos estava a saber tão bem, que não a partilhámos com mais ninguém, cão incluido).


...Figura_39: Também o nosso Tanino ali se sentou a olhar para nós. Os restantes elementos da caminhada que não puderam vir beber as mines, estiveram assim bem representados pelos nossos dois magníficos animais...

E foi assim que decorreu este "take two" do percurso "Cabreia e Minas do Braçal". Quem esteve presente diz que gostou muito, quem não pôde estar terá sempre oportunidade de o ir fazer. Quanto a mim apenas vos digo: até já, com notícias novas!
Fiquem bem!

2 Comments:

Blogger Francisco Jordão said...

Já estamos cheios de saudades destas "andanças"...vamos ver se rapidamente os nossos rebentos se emancipam...

29 maio, 2010  
Blogger Carlos Coutinho said...

Viva!
Sou de Sever do Vouga, e gostei de ver que vierem conhecer alguns recantos aqui para esta zona.

Quando quizerem voltar a Sever do Vouga, proponho-me a mostrar-vos muito mais coisas giras... venham um fim de semana completo... e se quizerem ainda vos ofereço alojamento, mas têm que trazer sacos cama, pois não tenho cama para tanta gente, mas tenho espeço que chegue... Abraço.
Carlos Coutinho - carlosmpcoutinho@hotmail.com

04 outubro, 2012  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home