4 de janeiro de 2010

O fim de uma década ou o iníco de outra?

À parte as polémicas sobre 2010 ser o fim de uma década ou o início de outra, vamos cá esclarecer as coisas (afinal, como sempre referi, este espaço também é cultura). Eu aprendi que o ano zero não existiu, tendo-se começado a contar a partir do ano 1, pelo que uma década vai do ano um até ao ano zero seguinte - 1 a 10, 11 a 20... 2001 a 2010, 2011 a 2020, etc...); de acordo com esta perspectiva acabámos de entrar, pois, no final da primeira década deste milénio! E com este final deposito a enooooorme esperança que seja também o final da minha luta contra o cancro, em que o terei derrotado por KO, sem remissão! E é com esta fé que dou início ao primeiro relato do ano... começando pelo que terminou!
Assim, no final do ano, os sempre presentes família Monteiro Carecho vieram até à Villa FMJ para mais uma visita, já que nós por aqui continuamos em semi-clausura para evitar essas maleitas que por aí grassam. Foi uma terça-feira com sabor domingueiro, connosco a saborear mais um petisco culinário: garnizé (ou lá como se chama aquele "derivado galináceo") assado na brasa, acompanhado com uma variedade de arrozes... e um bom tinto (Ah! Pois... Agora ninguém me segura!...).


...Figura_01: Parte dos convivas, com destaque para a minha maridona, o André, o Rafael, a minha madrinha Fernanda e a minha mana Céu...


...Figura_02: E o outro lado da mesa, com o MOI ao lado do meu cunhado Zé (Carecho).


...Figura_03: Agora sim, a mesa completa, com todos os convivas reunidos à sua volta a jogarem o Pictionary!


...Figura_04: E no final até houve tempo para "fantasiarem" o meu cunhado de "Maria Madalena", aproveitando o seu estado de maior sonolência...

Mas este final de ano representou outros "finalmentes"! Como eu disse, espero ter feito a despedida final (por não ser necessário!) às "salas de chuto" (como pomposamente chamo ao Hospital de Dia onde nos administram a quimioterapia); mas foi também neste final de ano que ocorreu o "términus" do meu livro. É verdade! Para todos aqueles não crentes, eu consegui! Um dos meus objectivos para este ano era terminar de o escrever, e esse dia chegou a 30 de Dezembro! Viram?


...Figura_05: Os 3 cadernos por mim manuscritos, naquele que irá ser um best-seller da aventura ficcionada.

A 31 de Dezembro, para os mais distraídos, terminou o ano de 2009. E como tal, resolvemos despedir-nos deste ano com dignidade. Para tal optámos por preparar um repasto de comer e chorar por mais... vinho, no nosso forno a lenha. Foi uma tardada culinária, já que acendemos o forno às 15H30, colocámos a vitela à lafões (adivinharam! Foi este o petisco seleccionado!) no seu interior às 18H30 e deu-se a tarefa por concluída às 21H00. Enfim, a noite seria longa, pelo que também não tinhamos pressa para jantar.


...Figura_06: Os preparativos da vitela à lafões, aqui ainda sob a acção do vinho d'alhos (branco e bom!)


...Figura_07: O importante acto de acender o forno de lenha, comigo a "cortar a fita" (só para a fotografia).


...Figura_08: A minha maridona vestida à padeira de Aljubarrota, no acto de raer (o forno) para colocarmos as travessas. O quê? Não sabem o que significa raer? 'Tá bem, eu explico... Raer advém do latim radere e significa, entre outros, vassourar o forno depois de aquecido (e não tem que ser com uma vassoura! Pode ser, como neste caso, com um rodo, tá? As coisas que eu continuo a saber...)


...Figura_09: Mas, enquanto a vitela se cozinhava ao calor do forno, nós não nos mantivemos parados. O tempo foi aproveitado para fazer outros petiscos, como as famosas broínhas de Natal, aqui numa improvisação de um mix de batata e abóbora.


...Figura_10: Até que, por fim, a vitela se deu por vencida e nos convenceu a nós a retirá-la do forno, directamente para...


...Figura_11: ...directamente para a mesa de fim-de-ano, para ser degustada por este casal-maravilha, aqui magnificamente representado pela fêmea do casal! (Uau! Que palavra poética, "fêmea do casal"! Mas... olha... não é uma palavra! São três palavras: fêmea + do + casal!)


...Figura_12: Eis a beleza do prato, digno de registar nos mais conceituados receituários de um qualquer Chef de l'haute cuisine, aqui ainda não complementado com uns deliciosos bróculos passados por azeite e alho numa sertã (ou frigideira, como preferirem chamar-lhe)


...Figura_13: Mas um magnífico jantar deve sempre ser acompanhado por um magnífico vinho. Daí termos "viajado" até terras de nuestros hermanos, para saborear um delicioso Rioja "Marquês de Riscal" de 2003.


...Figura_14: Daí que nunca nos cansámos de brindar ao fim deste "velho" ano, à espera do novo que já espreitava à porta...

E o novo ano chegou e com ele as 12 passas com os 12 desejos para 2010. É claro que o nosso maior desejo foi o de ver vencida e ultrapassada esta doença silenciosa, mas também desejámos outras coisas: saúde para todos, paz no mundo e vários outros clichés que nos fizeram parecer o discurso da Miss Universo na tomada de posse da sua coroa de glória, desejando ainda a presença de amigos.


...Figura_15: Apesar de algum frio que se fazia sentir, não resisti a receber o novo ano com... fogo de artifício.


...Figura_16: E com um pézinho de dança! Desenganem-se aqueles que pensam que foram pés de chumbo, pois os bailarinos sentiam uma leveza... se calhar em parte já conferida pelo Marquês de Riscal!

Mas o nosso desejo de receber mais amigos começou logo a realizar-se neste primeiro dia. Tivemos a visita há muito anunciada e sempre adiada da nossa amiga Cristina Busto, que nos honrou com a sua presença para o primeiro almoço do ano (o menu gastronómico baseou-se numa variante ao já famoso "bacalhau à broeiro", desta feita com a batata assada a substituir a camada inferior das côdeas da broa), dando-se uma nova estreia durante este momento: a minha, a beber um flute de espumante (cuja escolha recaíu sobre uma colheita e produção particular, da família Santiago, que estava uma verdadeira DELÍCIA!).


...Figura_17: O almoço com a Cristina, aqui num primeiro brinde com um tinto alentejano reserva!


...Figura_18: E aqui num último brinde, desta feita com o tão ansiado flute de espumante. Que boa maneira de celebrar este primeiro dia!

Ao final da tarde tivemos nova visita, desta vez do meu colega e amigo Armando Lourenço, com a esposa (e minha antiga professora de Química) Eduarda Pereira e da filhota Inês.


...Figura_19: Também eles não resistiram a dar "um show de bola", à escala matraquilheira...


...Figura_20: E no final a foto de família (não são só os políticos da UE que têm direito a este tipo de fotografias, certo?)

E foi assim que recebemos de braços abertos este novo ano!
Fiquem bem e que em 2010 também vejam realizados os vossos melhores desejos!


...Figura_21:Eis a nossa mensagem para todos vós: EPI NIÚ IAR, pipol!

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home